Dicas Úteis

PEDRA NOS RINS | A PEDRINHA QUE CHEGA PARA INCOMODAR!

Também conhecido como cálculos renal, são cristais de minerais que são formados quando há um excesso de minerais na urina, e o rim não consegue dissolver esses cristais pela falta de água.

Aproximadamente 10% das pessoas têm pedras nos rins, e este problema vem aumentando com o crescimento da obesidade, pressão alta e diabetes. Além disso, os cientistas já sabem que o aparecimento das pedras está relacionado a vários fatores como hereditariedade (se alguém da sua família tem esse problema, você tem mais chances de ter também!), clima, hábitos alimentares, idade, sexo e raça.

E por que dói tanto? A presença de pedras nos rins não provoca a famosa cólica renal! Na verdade, o movimento delas pelo trato urinário é que causa as dores. E quem já passou por isso, já sabe: a dor é muitooo intensa e aguda! E ela se espalha pela região lombar, cintura, quadril, parte interna da coxa e órgãos genitais. Outros sintomas que a pessoa ainda pode sentir são: sensação de inchaço, vontade de urinar (mas sem conseguir), sangue na urina e enjoo.

O tratamento para a cólica renal é controlar a dor através do uso de medicamentos. O próximo passo é avaliar a possibilidade de expelir a pedra de forma espontânea (sem nenhuma intervenção médica), mas esta opção depende do seu tamanho (pedras menores de 5mm tem maior chance de saírem naturalmente), posição da pedra, entre outros, mas lembre-se: sempre procure um especialista em caso de cólica renal. Ele irá indicar o tratamento mais adequado para cada caso. Quando não é possível, um especialista deverá orientar o procedimento indicado para cada caso – como ondas eletromagnéticas, laser, e até mesmo cirurgia.

Mas dá pra prevenir pedras no rim? Dá sim, e a alimentação tem papel fundamental! Evitar comer alimentos ricos em sódio (como embutidos, pratos prontos congelados, salgadinhos), diminuir o consumo de carnes e bebidas açucaradas (como refrigerantes e sucos prontos), além de aumentar o consumo de vegetais, frutas e de água (muuuita água!) são medidas essenciais para quem sofre desse mal!

Ah, e por último, mas não menos importante: as pedras nos rins não podem permanecer por mais de 2 meses na mesma posição, pois podem se deteriorar comprometer a função dos rins!

Por isso, atenção aos sintomas, e se precisar, procure por um especialista - ele encontrará o melhor tratamento a você!

Referências Bibliográficas:

Gomes PN, et al. Profilaxia da litíase renal. Acta Urológica 2005;22(3):47-56. Disponível em: < https://www.apurologia.pt/acta/3-2005/junior.pdf>. Acesso em: julho, 2019. Korkes F, Gomes SA, Heilberg IP. Diagnóstico e tratamento de litíase ureteral. J. Bras Nefrol 2009;31(1):55-61. Disponível em: . Acesso em: julho, 2019. Nerbass FB. Orientação dietética e litíase biliar. J Bras Nefrol 2014;36(4):428-429